Economia
“O Desporto contribui para uma mente sã”
Escrito por Luísa Patrício   
01-Mai-2008
Personal Gym oferece qualidade de vida

 
É um projecto antigo que finalmente nasce para responder às necessidades dos habitantes de Porto de Mós. Antonieta Mariano decidiu formar uma sociedade com mais duas pessoas para abrir o Personal Gym, na Ribeira de Cima, com o desejo de garantir uma melhor qualidade de vida aos cidadãos portomosenses. Foi inaugurado no passado sábado e está já a funcionar desde a segunda-feira, dia 28 de Abril.
“Depois de ter feito um pequeno estudo, percebi que a população se preocupa cada vez mais com a saúde e apostei neste ginásio”, revela Antonieta Mariano, que conta com o apoio do marido, Adelino Mariano, e de um professor de condição física, Orlando Rodrigues. “É uma mais-valia para o concelho. O desporto é uma necessidade que proporciona uma maior auto-estima e contribui para uma mente sã”, afirma a empresária, convencida de que ir ao ginásio “é um duplo investimento na própria saúde: a nível físico e a nível mental”.
“Todos devem praticar desporto, mas cada um a seu ritmo. Os limites variam”, declara Orlando Rodrigues que é responsável pelos planos de actividade física dos utentes. Agora que se aproxima o Verão, as idas aos ginásios aumentam, mas “nada se consegue sem esforço e força de vontade. Não há milagres”, diz o professor.
Aeróbica, Localizada, Musculação, Step, Cárdiofitness, Push Pump, Yoga, Alongamentos, Massagem Ayurvédica, Reiki, Estética e Apoio Nuntricional são os serviços disponíveis no Personal Gym. “Os preços são acessíveis e há modalidades para todos os gostos”, afirma Antonieta Mariano, que decide oferecer a primeira mensalidade a quem se inscrever, de forma a dar a conhecer o ginásio. Por menos de 50 euros pode frequentar-se o espaço sempre que se quiser e praticar todas as modalidades, mas há cartões para apenas 10 ou 15 aulas mensais, com valores mais baixos. O Personal Gym está aberto de segunda a sexta-feira, das 10h às 22h, e aos sábados, das 10h às 16h.

 
Nerlei “dá” Passaporte de Segurança
Escrito por Belmiro   
01-Mai-2008
Higiene e Segurança no Trabalho


A NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria vai desenvolver em breve uma acção de formação em “Passaporte de Segurança, em parceria com o Instituto de Soldadura e Qualidade,”.
“O “Passaporte de Segurança” é um certificado de competências mínimas em Higiene e Segurança que resulta da frequência com aproveitamento de uma acção de formação, na qual os trabalhadores irão adquirir um conjunto de competências sobre os riscos mais frequentes em meio laboral e respectivas medidas de protecção.
O objectivo desta acção é “garantir que o trabalhador tenha consciência dos riscos inerentes à maioria dos trabalhos executados em instalações industriais e/ou estaleiros de construção, não só os associados à sua actividade profissional, mas principalmente os relacionados com o ambiente que o rodeia no trabalho que vai executar”.
Este sistema surge devido ao elevado número de acidentes de trabalho em Portugal; à insuficiente sensibilização para segurança; e à grande mobilidade dos trabalhadores.
Os interessados poderão consultar os conteúdos programáticos e ter acesso à ficha de inscrição na página da Nerlei na Internet. As inscrições estão abertas até ao dia 15 de Maio.
 
Pharmalopes atrai pela diferença
Escrito por Luísa Patrício   
20-Fev-2008

A ideia foi partilhada num jantar de família. Mário Lopes, o proprietário da Farmácia Lopes, lançou para “cima da mesa” o desafio de instalar uma parafarmácia e as duas filhas agarraram o projecto. Tudo começou a ganhar forma no início do ano passado e, a 29 de Novembro, a Pharmalopes já abria as portas ao público.
Sílvia e Patrícia Lopes complementam-se no negócio e afirmam o desejo de “proporcionar mais qualidade de vida às pessoas”.
O espaço funciona como uma extensão da Farmácia Lopes. Enquanto que esta vende medicamentos sujeitos e não sujeitos a receita médica, a outra dedica-se, exclusivamente, à venda de medicamentos não sujeitos a receita médica, mas aposta na diferença para satisfazer outras necessidades dos clientes. “Pensamos que as pessoas de Porto de Mós já exigiam este serviço”, sublinha Patrícia Lopes.
A Pharmalopes apresenta diversos produtos de cosmética e estética, sempre numa vertente de terapia. “A saúde está em primeiro lugar. Queremos que o cliente encontre produtos que melhorem a imagem, mas na perspectiva da terapêutica”, realça.
Dermocosmética, Fitoterapia e Puericultura são as três áreas da parafarmácia. A primeira está ligada aos cuidados com a pele, a segunda diz respeito a tratamentos à base de plantas e a terceira está relacionada com produtos para bebés e crianças.
Na Pharmalopes há um gabinete onde se pode medir a tensão arterial e fazer testes de colestrol, triglicéridos e glicémia. O espaço inclui, ainda, outro gabinete onde poderá vir a funcionar um serviço de massagens terapêuticas.
Sílvia Lopes é licenciada em Ciências Farmacêuticas e assume principalmente a área de atendimento. Patrícia Lopes formou-se em Direito e está mais ligada à administração e à parte de gestão e controlo. Apesar de as duas tomarem conta do negócio, Mário Lopes, o pai, supervisiona todos os “movimentos”. A dupla conta ainda com uma funcionária que esteve cerca de três meses a “estagiar” na Farmácia Lopes.
Em jeito de balanço destes primeiros meses de actividade da Pharmalopes, Sílvia Lopes afirma que  “as pessoas estão satisfeitas e que procuram o serviço”. “Há produtos para todas as bolsas, desde o público mais exigente, àquele que não consegue ter o melhor”, acrescenta.
As duas irmãs querem agora aplicar-se a cem por cento neste projecto tornado realidade e confessam ter “grandes expectativas” em relação ao futuro da parafarmácia.

 

 
Novo supermercado em construção
Escrito por Patrícia C. Santos   
09-Jan-2008

Já começou em S. Jorge a construção da loja Feira Nova, do Grupo Jerónimo Martins. A confirmação é dada por João Salgueiro, presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós, acrescentando que além de um novo espaço comercial a obra trará outras contrapartidas para o concelho. O projecto prevê a construção de uma rotunda no cruzamento do IC2 em S. Jorge e a requalificação do cruzamento em Chão da Feira, segundo o autarca, que adianta terem sido condições impostas pela autarquia para dar o aval à obra. Com a intervenção no cruzamento de S. Jorge irá preparar-se o local para a ligação com a obra conhecida por Variante da Batalha, que irá arrancar também esta ano, de acordo com as indicações que Paulo Campos, secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas e das Comunicações, deu em Porto de Mós no passado mês de Outubro.
De acordo com o presidente da Câmara Municipal o prazo de construção é de quatro meses, adiantando que por essa altura a requalificação na rede viária terá de estar pronta, uma vez que "a licença de utilização só será emitida depois de estar tudo concluído".
Já do lado do Grupo Jerónimo Martins não houve qualquer comentário ao início da obra. Frederico Machado, do Departamento de Comunicação, escusou-se a tecer qualquer comentário, afirmando que de acordo com a política do Grupo só após a emissão de todas as licenças se apresentam as novas lojas.
Actualmente existem 41 lojas Feira Nova no País, divididas entre nove hipermercados e 32 médias superfícies, sendo o terceiro operador de hipermercados nacional.

 

 
“A área da massagem terapêutica realiza-me”
Escrito por Belmiro   
09-Jan-2008

“Sentia-me bem em ver as pessoas recuperarem fisicamente com a massagem”, diz a portomosense Alda Vala, ao recordar os seis meses em que assistiu às sessões de fisioterapia do seu pai, há cerca de 15 anos. Desde então, o gosto pela massagem aumentou e a profissão que a agarrava à contabilidade foi ficando para atrás. Certo dia, decidiu levar o gosto mais a sério, tirou formação e acabou por criar um gabinete de massagem em Porto de Mós, aberto desde finais de Dezembro do ano passado.
Trabalhava por conta própria com o marido e foram 25 anos dedicados à contabilidade. No entanto, Alda Vala confessa que se saturava daquele trabalho atrás da secretária, “porque não dava prazer e acabava por fazê-lo por obrigação”. O interesse pela massagem surgiu, mas ligado à recuperação física e mesmo à prevenção de certas lesões. Em casa, diz que, por brincadeira, começou a fazer massagens aos filhos e ao marido, percebendo que eles gostavam e se sentiam bem.
Alda Vala iniciou uma grande pesquisa na Internet sobre formação na área, até que encontrou um curso em Lisboa e, por isso, decidiu rumar até à capital durante o ano de 2006. Nesse tempo, estudou massagem terapêutica, no Sindicato Nacional de Massagistas de
Recuperação e Cinesioterapeutas (SIMAC), e teve oportunidade de fazer um estágio de dois meses, em Maio e Junho do ano passado, na Santa Casa da Misericórdia de Leiria. Considera que esta experiência “foi muito gratificante, porque se tratou de uma altura de trabalho muito intenso”.
Actualmente, durante as manhãs, ainda ajuda na contabilidade, mas à tarde vai para o gabinete, situado na Rua 5 de Outubro. Ainda com vontade de aprender mais sobre a área, Alda Vala desloca-se aos fins-de-semana a Lisboa, onde está a estudar Técnicas Manipulativas Osteopáticas, no Instituto Técnico de Saúde. Trata-se de um curso intensivo sobre Osteopatia, uma medicina não convencional que, explica, “usa técnicas manuais para diagnosticar e tratar uma grande variedade de problemas de saúde do aparelho músculo esquelético”. Admite que é um grande desafio conciliar a vida profissional com a família, mas afirma que sempre recebeu muita força por parte do seu marido e dos seus filhos para levar o seu sonho em frente.
Alda Vala tem pena que a massagem não seja um serviço comparticipado pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) e considera que, hoje em dia, ainda se pensa na massagem como um luxo. Apesar disso, diz ter boas expectativas em relação ao seu investimento em Porto de Mós, por acreditar que o gosto e a dedicação fazem um bom profissional e, consequentemente, angariam uma boa clientela.

 

 
<< Início < Anterior | 1 2 | Seguinte > Final >>

Resultados 1 - 9 de 14